Avaliação da coordenação motora em crianças dos 6 aos 9 anos de idade

Título:     Avaliação da coordenação motora em crianças dos 6 aos 9 anos de idade

Autor: Araújo, Filomena Salgueiro de

Orientadores: Carvalhal, Maria Isabel Martins Mourão; Coelho, Eduarda Maria Rocha Teles de Castro

Descrição: Dissertação de Mestrado em Educação Física e Desporto, Especialização em Desenvolvimento da Criança

Data:  2015

URI: http://hdl.handle.net/10348/5136

Resumo:

O desenvolvimento das crianças passa pela riqueza e variedade de experiências psicomotoras (Maia & Lopes, 2002), sendo a coordenação motora importante para a autonomia destas (Gorla, Duarte & Montagner, 2008). A presente dissertação tem dois grandes objetivos: (i) – caracterizar e comparar a coordenação motora de crianças dos 6 aos 9 anos, de acordo com a idade e género; (ii) – verificar o efeito do género, da idade e da prevalência de obesidade na coordenação motora. A amostra foi constituída por 82 crianças (39 rapazes e 43 raparigas), com idades compreendidas entre os 6 e os 9 anos (8,11 ± ,981). A coordenação motora foi avaliada através do teste KTK (Körperkoordinations-test für Kinder), e o IMC através dos valores de corte de Cole et al. (2000) para estimar a prevalência de obesidade. Utilizou-se o teste t de Sudent para comparar o quociente motor e o desempenho nas tarefas do teste KTK, de acordo com o género e a idade, e a ANOVA a três fatores para verificar o efeito das variáveis independentes (género, idade e prevalência de obesidade) na coordenação motora. Os resultados indicam que os rapazes (53,8%) e as crianças com 6-7 anos (57,9%) apresentam uma coordenação normal, e as raparigas (51,2%) e as crianças com 8-9 anos (47,6%) manifestam perturbação na coordenação. Os rapazes apresentam um quociente motor superior, quando comparados com as raparigas (p=,061), verificando-se diferenças significativas na tarefa dos saltos laterais (p=,001). As crianças com 6-7 anos exibem valores significativamente superiores de coordenação motora (p=,006), comparativamente às de 8-9 anos, com diferenças significativas nas tarefas: saltos monopedais (p=,002) e transferência de plataformas (p=,004). Os resultados da ANOVA sugerem um efeito negativo da prevalência de obesidade (p=.027), da idade (p=.001) e da interação da prevalência de obesidade x idade (p=.020) na coordenação motora. Em conclusão, a maioria das crianças apresenta problemas e uma insuficiente coordenação motora, e os rapazes apresentam níveis de coordenação motora superiores comparativamente às raparigas. As crianças normoponderais com 6 e 7 anos apresentam desempenhos significativamente superiores.

 

Trabalho na íntegra:

http://repositorio.utad.pt/bitstream/10348/5136/1/msc_fsara%C3%BAjo.pdf

Deixe uma resposta

quatro × quatro =