O desenvolvimento motor de bebês em creches: um olhar sobre diferentes contextos

Título: O desenvolvimento motor de bebês em creches: um olhar sobre diferentes contextos

Autor: Schobert, Lucila

Orientador: Valentini, Nadia Cristina

Descrição: Dissertação de Mestrado

Data:  2008

URI: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13809

Resumo:

O objetivo deste estudo desenvolvimental, de delineamento transversal, foi investigar a relação entre o desenvolvimento motor de bebês, que frequentam creches, entre seis a dezoito meses, e as características ambientais das famílias e das creches de Erechim/RS. Verificou, também, o desenvolvimento motor dos bebês, o contexto familiar, as oportunidades de estimulação do comportamento motor no lar e as características do contexto e cuidados oferecidos nas creches. Os participantes foram 52 bebês, de 9 creches (4 públicas e 5 particulares). Os instrumentos avaliativos foram: a $OEHUWD, QIDQW 0RWRU VFDOH $,06 para o desenvolvimento motor, o $IIRUGDQFHV LQ WKH +RPH (QYLURQPHQW IRU 0RWRU ‘HYHORSPHQW $+(0’ para o contexto familiar – geral e oportunidades de estimulação, e ficha de observação da rotina da creche para contexto e os cuidados oferecidos. A análise dos dados quantitativos utilizou a estatística descritiva e o teste de Kolmogorov-Srminov para a distribuição das variáveis, teste de correlação intraclasse para teste-reteste, correlação de Pearson para objetividade e associações. Na comparação entre grupos independentes o teste t- Student (normalidade da distribuição) e Mann Whitney (não paramétricos). Na comparação de três grupos Kruskal-Walls (grupos pequenos). Para análises bivariadas, o teste Qui quadrado de Pearson. Os dados sobre o contexto e cuidados nas creches foram agrupados e analisados descritivamente. A análise do desenvolvimento motor revelou que 50% (n=26) dos bebês participantes apresentaram desempenho motor suspeito de atraso ou atrasado. A investigação de fatores correlacionados mostrou que a renda familiar e o gênero não influenciaram o desempenho dos bebês. A escolaridade paterna indicou correlação com o desempenho motor dos bebês. As oportunidades de estimulação do comportamento motor no lar, foram suficientes em 80,8% (n=42) das casas. A relação entre contexto familiar e desempenho motor indicou que bebês cujas famílias possuíam oportunidades de estimulação suficientes apresentavam melhor desempenho motor. Quanto às creches detectou-se que bebês das particulares tenderam a apresentar melhor desempenho motor que os das creches públicas. E que a proporção de bebês com desempenho suspeito ou atraso detectado é superior nas creches públicas. O tempo que o bebê frequenta a creche não influenciou o desempenho motor. O contexto e os cuidados incluem profissionais com formação em educação. A proporção cuidador/bebê não é adequada e gera sobrecarga de trabalho e pouca atenção individualizada. A oferta, disponibilidade de brinquedos, oportunidades de brincar e as instalações podem ser melhoradas. A ênfase dos cuidados inclui aspectos pedagógicos parcialmente. As necessidades essenciais são atendidas, mas sugere-se que sejam oportunizadas experiências, interações e práticas para o desenvolvimento dos bebês.

 

Trabalho na íntegra:

http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/13809/000655494.pdf?sequence=1

Deixe uma resposta

onze − 1 =